domingo, 29 de janeiro de 2012

Casa de Vó



Eu faço todo o possível para respeitar a opinião e o gosto alheios. Ainda não cheguei à tolerância total, mas tenho feito progressos. Hoje consigo aceitar tranqüilamente que alguém considere água tônica uma delícia ou que seja fã da Banda Calypso. Cada um na sua.

Mas preciso evoluir mais, muito mais, porque ainda fico perturbada quando alguém diz que foi passar a lua-de-mel na Disney. Tudo bem, é uma escolha, um direito, o que tenho a ver com isso? Ainda assim, não consigo evitar o espanto. Dois adultos apaixonados em lua-de-mel na Disney. Jantando com o Mickey! Isso não significa que eu seja desprovida de espírito lúdico e de apreço à fantasia. Certa vez ouvi a Luana Piovani, num programa de tevê, dizer que a casa dos avós dela foi sua Disney. Bingo. A casa da minha avó também foi, Luana.

Tinha uma espécie de morro nos fundos da casa, todo gramado, que dava para um outro nível do quintal. Bem no centro desse morro (deve ser um morrinho, mas a memória de uma criança não respeita proporções exatas) havia uma pequena escada de pedras, porém a gente subia sempre pela grama, claro. Éramos treze primos fazendo trekking naquele latifúndio.

Lá em cima havia a churrasqueira e algumas árvores, mas o mais tentador era um  quartinho misterioso, um depósito meio sem função, nosso QG infantil, que às vezes servia de casa de bonecas, em outras, de redação de jornal - eu tinha o topete de escrever as aventuras da família. Se os fundos da casa eram mágicos, a casa propriamente dita era nossa Neverland.

Tinha lareira, tinha adega, tinha sótão. Era como estar dentro de um cenário de filme, e havia também a Lúcia, uma empregada alemã que parecia uma agente da Gestapo, nunca vi loira tão séria e retesada, mas preparava um cachorro-quente que jamais os Estados Unidos viram igual. Sério: a casa da avó da gente desbanca qualquer Epcot Center.

Hoje essas casas antigas estão sendo derrubadas para dar lugar a prédios imensos, mas mesmo dentro de um apartamento é possível existir uma "casa de vó", porque casa é só uma maneira de chamar, o que vale é o espírito do lugar, e havendo uma avó que entenda seu papel de proprietária não de um imóvel, mas de um segredo, estará garantida a magia.

Casa de vó é onde a lasanha e o pastelão ganham um sabor diferente, onde os ponteiros do relógio correm mais lentos, onde os ruídos são mais audíveis, onde o teto parece mais alto, onde a luz entra mais discreta entre as persianas, onde os armários escondem roupas antigas e fundos falsos, e só isso é falso, tudo mais é verdadeiro.

Casa de vó é onde os brinquedos não surgem prontos, são inventados na hora. É onde a gente encontra os restos da infância dos nossos pais. E fotos de bisavós, de tios... epa, este sujeito aqui, quem é? Acalme-se, é o namorado novo da sua avó, você achou que ela ficaria viúva para sempre? Ela é sua avó, não um matusalém.

Se as avós não são mais as mesmas de antigamente, em suas casas ainda sobrevive um encanto que não muda. Serão sempre lugares secretos onde encontraremos um instrumento sem uso, alguns recortes de jornal, anéis coloridos, um bicho meio pulguento, uma máquina de escrever ou de costura, algo que seja estranho aos olhos de uma criança - e espaço, muito espaço para uma imaginação que não é estimulada nem na Disney nem na rotina maluca de hoje, só mesmo lá dentro, no endereço do nosso afeto mais profundo, onde tudo é permitido.

Martha Medeiros


*****

Nota: me emocionei muito com este texto, e viajei nas minhas lembranças, quando eu passava as férias escolares na casa da minha vó.

Desde quando ela morava no Centro de São Paulo, naquele apartamento no primeiro andar, eu sentia a magia que aquele lugar transmitia.
Depois, no sobrado no bairro do Butantã, foi onde passei as minhas melhores férias... não tenho dúvidas!

As plantas e o aquário enorme, cheio de peixes e algas, que o meu avô cuidava.
Os cosméticos maravilhosos e perfumados que a minha tia mantinha em cima da cômoda... que tentação! rs
Aquele porão misterioso, com aqueles móveis, o toca discos, e até um aquário com um mundo de formigas que meu tio cuidava.

Os pedacinhos de legumes que a minha vó me dava, pra eu brincar de casinha. E as guloseimas que ela mesma preparava - fazia a massa do macarrão e o próprio molho de tomate, do pão de queijo, dos bolos - nada era idustrializado.

E, claro, o quartinho de costura dela... cheio de linhas, tecidos, retalhos, botões infinitos, fitas, rendas, etc, etc, etc.
Muuuitas lembranças, ótimas recordações.

FELIZ ANIVERSÁRIO, dona Sofia!!!
Parabéns pelos 89 anos de idade!!
Sua neta aqui te admira e te ama muito!

Doces beijos!

11 comentários:

Kellen Bittencourt disse...

Que Delicia ter uma avó com 89 anos, adorei a Disney do texto, que bom que a Luana disse algo tão Feliz, faço parte do grupo que conserva fantásticas lembranças das avós, especialmente da minha bisavó, dona de um hotel centenário numa cidade de Minas que ocupava um quarteirão inteiro da cidade, seu quintal era algo surreal, havia arvores frutiferas de várias qualidades, horta, criadouros de peixes, de porcos, galinheiros, muito muito grande, era p lá que eu ia passar minhas férias junto com uma turma de 10 primos, transformavamos o quintal do hotel numa verdadeira Disney! Minha Bisavó morreu com 105 anos! Obrigado por me fazer relembrar, me emocionei tbem! Bjoooosss

Bárbara Scarlett disse...

Oi Cici
Mt lindo o texto da Marta tb me emocionei lembrando da minha infância na casa da minha vó, na verdade tenho mt saudade dela que já se foi dessa há 6 anos, mas me lembro dela e da casa dela sempre, aquilo q era infância. Ela tinha um radio pra tocar vinil e só tinha um vinil pequenininho do Atlético-MG, nosso time do coração, todas as vezes que íamos lá tocávamos o vinil inteiro e nos divertíamos como nunca. São coisas que quero pros meus filhos.

abraços cheios de recordações

Rosecleia Kéia artes disse...

Bom dia, que lindo Cici,me emocionei com esse texto, saudades da casa da minha vó. E quanto a Disney virou moda para o casais, mas o que fazer né? Tem tantos lugares lindos e românticos para aproveitar melhor esse momento tão especial.
bjs!

CRIATIVIDADE EVA disse...

Uauuuu que show. Fiquei emocionada ao ler o texto, relembrei grandes momentos na casa da minha avó. Ela faleceu recentemente, nem ao enterro pude ir... Mas as lembranças boas, vão ficar gravadas pro resto da minha vida. Eram muitos netos, bisnetos, nem sei ao todo quantos são.... mas hoje não tem mais isso, todos seguiram seus caminhos.... Foi bom relembrar, o texto maravilhoso e guardo saudades daqueles tempos. Beijos

Paula disse...

Muito bom relembrar a infância na casa da vó! Eu praticamente morava na casa da minha, só ia pra casa pra dormir...rsrs
Parabéns por sua vózinha! Se a minha estivesse aqui, também faria 89 anos este ano. Então comemore e aproveite todos os momentos com a dona Sofia =D

Tenha uma boa semana!

Roberta Mendes disse...

Oi amiga, adoro teu blog sempre tem coisas lindas por aqui,estou aqui também para informar o novo endereço do meu blog, para você não deixar de me visitar , já que para a mim a sua visita é tudo de bom,beijokas...
http://titacarre.com
http://agulhaetricot.com
http://titacarre.elo7.com.br visite minha loja tb e deixe sua opinião sobre meus produtos.

Érica D'avila disse...

Ai Cici que coisa gostosa de ler, eu não tive muito contato com casa de vó mas vejo hoje meus filhos na casa da avó deles( minha mãe e minha sogra) no quintal da vovóinha, no quarto DA MINHA VÓ, onde eles são reis e rainhas da bagunça e da diversão, afinal vó é mãe com açucar, isso sim é alegria que não tem preço, nem ingresso vendido nas bancas...

Canela Castela disse...

Ai que delicia de texto Cici.
Também viajei nas palavras... Belas lembranças de minha falecida avó. Ai que saudades.
A melhor fase de minha vida.
Não via a hora de chegarem as ferias, para poder estar na minha avó desde o 1° dia até o último das ferias.
Tempo que não voltam mais.
Agora é fazer com que meu Fefe tenha as mesmas sensações que tive quando criança na casa da Vó.
Beijos grande e ótima segundona

Di Rodrigues disse...

Como é bom recordar...
Tem muita gente por aí que faz coisas sem sentido, mas fazer o que tem doido para tudo!!!
Acho que a sabedoria da vida está exatamente em saber valorizar as pequenas felicidades, as coisas simples. Aquilo que não tem preço. Como por exemplo carinho de vó.
Bjs.

Cozinha de Mulher disse...

Cici que delícia de texto menina..
Eu amei.. me emocionei ao ler aqui, porque casa de vó é tudo isso e mais um pouco..
Vou colocar o link dessa página no meu post de hoje tá?
Porque todo mundo merece ler uma coisa tão linda dessas..
Beijinhos
Sheila

Rita disse...

*。¨* ✫ ” ✫. ☽¨¯*。.☆¨*。¯`☆¸.✫˚¯`☆
Eu amei ler esse texto falando das avós
Eu sempre morei em fazendas e minha avós em SP
então íamos pouco la, ela que vinha na nossa
casa. mas era a mesma coisa, amor de vó , casa de vó
é mesmo um paraíso. eu sei disso, pq tenho uma
neta linda , e quando ela vem aqui em casa faço
tudo por ela, SOU MÃE SOU AVÓ e parabenizo vc por
ter postado essa mensagem maravilhosa
Bjuss
Rita!!!
*。¨* ✫ ” ✫. ☽¨¯*。.☆¨*。¯`☆¸.✫˚¯`☆

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...